Marcar reunião online

Marcar reunião online

Preencha os seus dados e nós entraremos em contacto consigo para marcar a web call
* Campos de preenchimento obrigatório

A NEWCO é o seu parceiro local em Portugal e Malta.

Trabalhar como freelancer ou criar uma empresa em Portugal - qual é a melhor opção?
07 mar 2024 . By Roberto Castro Mendonça - Tax Lawyer

Trabalhar como freelancer ou criar uma empresa em Portugal - qual é a melhor opção?

A decisão de trabalhar como freelancer ou criar uma empresa em Portugal é influenciada por vários fatores que podem não ser claros à partida.

É necessário considerar o potencial de crescimento, a estabilidade a longo prazo, a flexibilidade, as oportunidades de financiamento, a responsabilidade contratual, os custos de implementação, as despesas operacionais e.… as implicações fiscais.

Na NEWCO, ajudamos os nossos clientes a implementarem ambas as soluções:

  • Orientamos os freelancers e as empresas sobre os meandros da legislação portuguesa.
  • Oferecemos aconselhamento e uma abordagem prática ao planeamento, implementação e gestão diária do seu negócio em Portugal.

Este artigo centra-se em alguns princípios fiscais básicos que se aplicam a freelancers e a empresas em Portugal.

É de notar que recomendamos uma análise específica para cada caso e que esta análise não se deve limitar a uma perspetiva fiscal.

Tributação dos trabalhadores independentes em Portugal

Se estiver a trabalhar como freelancer em Portugal, estará sujeito a imposto sobre o rendimento das pessoas singulares e terá obrigações declarativas.

 

Rendimentos sujeitos a tributação

Os rendimentos profissionais dos trabalhadores independentes sujeitos a tributação em Portugal podem ser determinados através do regime simplificado ou do regime de contabilidade organizada.

  • No regime simplificado, o rendimento tributável é obtido através da aplicação de um coeficiente ao rendimento bruto auferido que representa uma presunção do montante das despesas suportadas.
  • No regime de contabilidade organizada, a determinação da matéria coletável é feita por referência a regras e princípios contabilísticos. Neste cenário, todos os custos relacionados com a atividade são dedutíveis aos rendimentos obtidos nos mesmos termos que as empresas.

Normalmente, o regime de contabilidade organizada é mais favorável se o nível de despesas/custos suportados for superior ao presumido no regime simplificado.

Se é trabalhador independente com um rendimento bruto anual inferior a 200 000 euros, pode optar entre o regime simplificado ou o regime de contabilidade organizada.

Por outro lado, se tiver ultrapassado este limiar nos dois anos anteriores, deve ter contabilidade organizada a partir do ano seguinte.

Taxas do imposto sobre o rendimento das pessoas singulares

As taxas aplicáveis dependem de se tratar de um residente fiscal "normal" ou de um residente fiscal que beneficie de um programa específico, como são exemplos o residente não habitual (RNH) com rendimentos considerados provenientes de uma atividade de elevado valor acrescentado enumerada pelo Governo português ou um beneficiário do “Programa Regressar”.

Para os residentes fiscais "normais", os rendimentos obtidos são tributados de acordo com as taxas progressivas do imposto sobre o rendimento das pessoas singulares. Em contrapartida, um residente não habitual com rendimentos provenientes de uma atividade de elevado valor acrescentado enumerada pelo governo pode beneficiar de uma taxa fixa de 20%. Por seu turno, os beneficiários do “Programa Regressar” podem aceder a uma exclusão de tributação de 50%, com limites para aqueles que se tornem fiscalmente residentes a partir de 1 de janeiro de 2024.

É de salientar que, após uma isenção inicial de 12 meses, começará a pagar contribuições para a segurança social em Portugal.

Obrigações declarativas

Embora o esforço de compliance fiscal dos freelancers seja teoricamente mais simples do que a das empresas, existem ainda obrigações relevantes que requerem atenção, tais como

  • Declaração de início, alteração ou cessação de atividade
  • Pagamentos por conta
  • Emissão de faturas eletrónicas de acordo com a legislação fiscal portuguesa;
  • Declarações de Imposto sobre o Valor Acrescentado
  • Declaração anual de IRS
  • Declarações à Segurança Social

Iniciar corretamente a sua atividade e assegurar o preenchimento atempado e rigoroso de cada declaração é fundamental para o sucesso e estabilidade do seu projeto a longo prazo, mitigando riscos de correções e penalizações.

Saiba mais sobre a tributação de freelancers em Portugal


Brochura

Guia Fiscal e Contributivo para Freelancers

download

Tributação das empresas portuguesas

De acordo com o Código das Sociedades Comerciais português, existem dois tipos principais de empresas:

  • Sociedades por quotas ("Lda."); e
  • Sociedades anónimas ("S.A.")

O tipo de empresa mais comum para os investidores é a empresa Lda. Isto deve-se ao facto de oferecerem mais flexibilidade e uma estrutura administrativa e de fiscalização menos complexa quando comparadas com as sociedades SA.

No caso da constituição de uma empresa em Portugal, é essencial avaliar dois tipos de tributação:

  • A tributação ao nível da empresa;
  • A tributação ao nível do acionista.

Tributação ao nível da sociedade

As empresas portuguesas estão sujeitas a Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC), que incide sobre o seu lucro tributável.

Em regra, o lucro tributável das empresas portuguesas é calculado da seguinte forma:

IRC a pagar = [Lucro tributável - Prejuízos fiscais = Lucro fiscal x Taxa de IRC]

As empresas residentes em Portugal que não estejam isentas de IRC nem sujeitas a um regime especial de tributação e que exerçam, a título principal, uma atividade de natureza comercial, industrial ou agrícola, podem optar por um regime simplificado de tributação (seguindo uma lógica semelhante à do regime simplificado dos trabalhadores independentes), desde que se verifiquem determinadas condições cumulativas.

Uma vez liquidado, o lucro fiscal fica sujeito às taxas de IRC aplicáveis.

A taxa geral de IRC em Portugal Continental é de 21% (no caso das pequenas e médias empresas, os primeiros € 50.000 de matéria coletável são tributados a 17% e os restantes a 21%).

Na Madeira, a taxa geral de IRC é de 14,7%, sendo que os primeiros € 50.000 de matéria coletável são tributados a 11,9% (o remanescente é tributado a 14,7%).

O regime fiscal do Centro Internacional de Negócios da Madeira oferece uma taxa de IRC de 5% para empresas com atividades internacionais.

 

Obrigações declarativas

  • Declaração de início, alteração ou cessação de atividade
  • Declaração anual de rendimentos de IRC
  • Declaração anual de informação contabilística e fiscal
  • Emissão de faturas dos serviços prestados com recurso a software de faturação certificado
  • Entrega de declarações de IVA.

Tributação ao nível do acionista

A forma mais comum de obter rendimentos de uma empresa portuguesa é através de dividendos ou de rendimentos do trabalho (i.e. salário).

Ambos têm implicações fiscais diferentes ao nível do beneficiário.

 

Dividendos

Os dividendos distribuídos por uma empresa portuguesa a um residente fiscal português são tributados a uma taxa de retenção na fonte de 28%. Neste caso, não é aplicável qualquer vantagem decorrente do estatuto de RNH.

No entanto, o beneficiário pode optar por incluir esses rendimentos na sua declaração de rendimentos e sujeitá-los às taxas de imposto progressivas aplicáveis aos residentes "normais", que variam entre 14,5% e 48%, consoante o nível de rendimento. Neste caso, apenas 50% dos dividendos distribuídos serão considerados.

Rendimentos do trabalho

No que respeita às taxas e regimes fiscais especiais aplicáveis (i.e. RNH ou Programa Regressar), os rendimentos do trabalho obtidos por um acionista de uma empresa portuguesa são tributados de forma idêntica à de um freelancer, nos termos que descrevemos acima.

Para além do imposto sobre o rendimento das pessoas singulares, os rendimentos do trabalho dependem também de contribuições para a segurança social.

 

Obrigações declarativas

Enquanto acionista ou trabalhador de uma empresa portuguesa, poderá ter de entregar a declaração anual de IRS entre abril e junho de cada ano.

Descubra quais são as vantagens de investir em Portugal


Brochura

O nosso guia: Investir em Portugal

download